Sindifisco Nacional participa da posse do ministro da Previdência

O Sindifisco Nacional esteve presente na cerimônia de posse do ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, realizada na tarde desta terça-feira, dia 3, no auditório da sede do ministério, em Brasília. Participaram da solenidade os Auditores-Fiscais Luiz Cláudio de Araújo Martins (diretor de Administração e Finanças), Maria de Lourdes Nunes Carvalho (diretora de Defesa da Justiça Fiscal e da Seguridade Social, de Políticas Sociais e Assuntos Especiais) e Floriano de Sá Neto (diretor de Assuntos Parlamentares).

Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi foi ministro do Trabalho e Emprego de 2007 a 2011. Em seu discurso, ele afirmou que a aposentadoria é uma dívida da União com os trabalhadores, e não um prejuízo para os cofres públicos. “Vamos trabalhar para resgatar a dignidade das aposentadorias”, declarou. Lupi defendeu a garantia que os recursos destinados à Previdência Social pela Constituição sejam assim contabilizados e assegurou que provará que a Previdência não é deficitária.

Entre as prioridades da pasta, Carlos Lupi firmou os compromissos de zerar a fila de espera por benefícios do INSS e também de implementar uma comissão quadripartite, formada por sindicatos patronais, dos trabalhadores, aposentados e governo, para discutir pontos da Reforma da Previdência (Emenda Constitucional 103/2019) que prejudicaram os aposentados. “Precisamos discutir em profundidade a antirreforma que foi feita”, declarou. Lupi citou ainda outras ações, como a criação de uma carteira nacional de identificação dos aposentados para terem acesso facilitado a benefícios.

Direção Nacional com o deputado Wolney Queiroz (PDT-PE), secretário executivo do Ministério da Previdência

Do total de beneficiários da Previdência, 70% ganham um salário-mínimo, uma renda mensal que garante a sobrevivência de cerca de 60% dos municípios brasileiros. “A Previdência Social é uma política pública de Estado e de longo prazo, e precisa ser tratada como tal, não como um peso para a sociedade, mas como motora do desenvolvimento econômico pelo aquecimento que provoca na economia, em especial dos pequenos municípios”, defendeu Maria de Lourdes Carvalho.

Na avaliação de Luiz Cláudio Martins, é fundamental perceber a Previdência Social como um instrumento de redistribuição de renda, conforme previsto na Constituição. “Um sistema justo de Previdência Social interessa ao país porque é um instrumento de redistribuição a renda e de amparo a quem precisa. É uma devolução para quem contribuiu e que mantém aquele recurso girando na economia. Não é um entrave, um peso. E o papel do Sindifisco Nacional será importante diante deste novo olhar sobre o papel da Previdência, porque somos nós que arrecadamos as contribuições que vão financiar o sistema previdenciário”.

Diretor Floriano Sá Neto com o Auditor-Fiscal Manoel Dias, secretário-geral do PDT