Maior tributação sobre os “super-ricos” é destaque em veículos de imprensa de Santa Catarina

Os Auditores-Fiscais Roger Corrêa, presidente da Delegacia Sindical de Florianópolis, e Carlos André Soares, vice da DS, participaram de uma entrevista na CBN Floripa, no programa Conversas Cruzadas, com o apresentador Renato Igor, na última segunda-feira (12). O objetivo foi explicar a proposta que contribui com a redução da desigualdade no país, definindo novas modalidades de tributação sobre a renda, incluindo uma maior taxação sobre os “super-ricos”, e a reorganização da administração tributária. A iniciativa da DS/Florianópolis se alinha e amplifica a campanha “100 anos do Imposto de Renda no Brasil”, promovida pelo Sindifisco Nacional.

O mesmo assunto foi debatido na rádio Som Maior de Criciúma, com o jornalista Arthur Lessa, e no blog do Prisco, nesta quarta-feira (14).

Conforme um levantamento realizado pelo Sindifisco Nacional, com base nos dados da declaração do Imposto de Renda de 2021, as desigualdades são retratadas nas cobranças do imposto. Por exemplo, no topo da pirâmide social, os contribuintes com renda mensal superior a R$ 334,4 mil pagam uma alíquota efetiva de imposto de 5,25%. Em contrapartida, os brasileiros que ganham entre R$ 5,2 mil e R$ 7,3 mil pagam uma taxa de 4,91%, ou seja, praticamente a mesma alíquota dos “super-ricos”.

Durante os bate-papos, Roger explicou que o Imposto de Renda tem um grande poder de transformação social e precisa passar por uma revisão criteriosa de isenções e faixas de cobrança de tributo. “A partir desta campanha, será traçado um diagnóstico com a contribuição das entidades civis e da sociedade. A ação conjunta busca soluções para um sistema tributário mais progressivo, justo e solidário”, acrescentou.

Vale reforçar que a alíquota de imposto segue progressiva até a faixa salarial de R$ 20,9 mil a R$ 31,3 mil, porém, a partir desta faixa de renda, a tributação fica cada vez menor.