Itajaí: Auditores Fiscais denunciam carga de trabalho abusiva

Os Auditores Fiscais lotados no Safia (Seção de Fiscalização Aduaneira) da Alfândega da RFB (Receita Federal do Brasil) de Itajaí (SC) estão submetidos à tão elevada carga de trabalho que a fiscalização Aduaneira no munícipio está se tornando inviável, considerados os limites operacionais da equipe e os prazos previstos na legislação. É isso o que afirma manifesto emitido pela DS (Delegacia Sindical) Itajaí e pelo Comando Local de Mobilização, entregue nesta terça-feira ao inspetor chefe da Alfândega, Auditor Fiscal Gustavo Robetti, ao superintendente da 9ª Região Fiscal, Auditor Fiscal Luiz Bernardi, e ao coordenador da Coana (Coordenação-Geral de Administração Aduana), Auditor Fiscal José Carlos Araújo.

A alta carga de trabalho, segundo o documento, é de notório conhecimento da Administração Aduaneira. De acordo com levantamento apresentado no manifesto, a Alfanândega de Itajaí foi responsável por 40% do volume de trabalho de toda a RF em 2014 – ao todo são 10 unidades na região.   

O texto deixa claro que a capacidade de trabalho do Safia, face à realidade, está comprometida, o que aumenta a percepção de insegurança funcional entre os Auditores Fiscais. 

O manifesto destaca que os Auditores veem com “extrema preocupação os efeitos desmotivadores das políticas de restrições orçamentarias e de recursos humanos e materiais, da facilitação do comércio exterior em detrimento ao controle aduaneiro e da implantação do gerencialismo pernicioso como forma de administração das atividades de fiscalização”. Em outra parte do texto, os Auditores afirmam que a situação tem causado "desapontamento e esgotamento laboral".

A DEN apoia ao manifesto dos Auditores Fiscais de Itajaí e espera providências concretas para a solução dos problemas apontados. Outrossim coloca-se ao lado e à disposição da DS/Itajaí para as providências que julgar necessárias.   

Conteúdos Relacionados