Sindifisco presta homenagem às mulheres que fazem a RFB

Neste 8 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Sindifisco Nacional inicia a publicação de histórias de Auditoras-Fiscais que fazem a RFB (Receita Federal do Brasil). Como não é possível destacar cada uma das milhares de vozes e mãos femininas que trabalham nas mais diversas atividades da Receita, a DEN (Diretoria Executiva Nacional), num trabalho desenvolvido em conjunto pelas diretorias de Políticas Sociais e Assuntos Especiais e de Comunicação, homenageia a todas elas a partir de uma representante por RF (Região Fiscal).

Anelise Hackbart Porn: Organização é a palavra chave

Ela entrou na RFB (Receita Federal do Brasil) em 1997, trabalhou por sete anos na Malha Fiscal, na Inspetoria em Bagé (RS) e, desde 2007, chefia a Agência da RFB Gravataí (RS), na 10ª Região Fiscal. Estamos falando da gaúcha de Pelotas Auditora-Fiscal Anelise Hackbart Porn que, com muita organização, faz carreira dentro da Receita onde já ocupou diversos postos e ainda consegue dar conta dos filhos, do marido e de seus anseios pessoais.

“Considero cada posto assumido na Receita Federal um desafio vencido diariamente, dada a diferença e a complexidade dos assuntos”, avalia a Auditora, que diz nunca ter enfrentado dificuldades na RFB pelo fato de ser mulher, até porque, no órgão, tem muito mais mulheres que no curso de Engenharia Elétrica, no qual se formou.

Logo que entrou na Receita Federal, Anelise participou ativamente do Sindicato. Travou lutas políticas em torno da Reforma da Previdência, esteve em Brasília (DF) várias vezes para defender a Classe. “Considero muito importante a luta sindical, que nos permite pensar na categoria como um todo, buscando maior representatividade das reivindicações e tendo em vista uma maior justiça fiscal e social”, afirma Anelise. A Auditora, agora, já não participa tão ativamente das atividades sindicais por conta das obrigações na Agência Gravataí, que fica a 35 km de Porto Alegre – cidade para onde corre nos intervalos do trabalho para levar e buscar as crianças, que estudam na capital gaúcha, e, assim, não perder tantos lances da vida deles.

Anelise acredita que organização e trabalho em equipe são as chaves para a mulher conciliar a vida profissional e a pessoal. “Adoro meu emprego, mas minha família é prioridade. Não é fácil, mas é possível conciliar os dois”. A prova de que a organização da Auditora dá certo é que, com tantas obrigações, ela ainda encontra tempo para se cuidar. Faz caminhadas, leituras e conta que a sua filosofia de vida é um Salmo bíblico: "Entrega teu caminho ao Senhor, confia Nele e tudo o mais Ele fará".

No ano passado, Anelise conseguiu se desapegar um pouco do “ninho” e fez um curso de inglês, em Londres (Inglaterra). “É claro que aperfeiçoei a língua, mas a experiência fora do país é muito mais rica, nos dá autoconfiança, nos ensina a conviver com as diferenças, exercita nossa tolerância, amplia nosso olhar”, diz.

Nesta data, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, Anelise avalia que a vida das mulheres já foi muito mais dificil e se considera de uma geração que já está colhendo os frutos da valorização da mulher. “Pelo menos dentro da Receita Federal, a mulher é valorizada, talvez porque tenham percebido que a sua visão multifocal é um ganho para o órgão”.

Próximo destaque – A próxima entrevista dentro da série em comemoração ao Mês da Mulher será publicada na segunda-feira (12/3), com destaque para Maria Aparecida Almeida Oliveira, Auditora-Fiscal da 9ª Região Fiscal.

Conteúdos Relacionados