Unafisco nega interferência na Administração da RFB

Com relação a notícias veiculadas pela imprensa, particularmente, no que diz respeito à nota publicada na coluna Ancelmo Góis, intitulada “Banco, o eterno vilão”, na edição de hoje (30/6) de O Globo, e à reportagem publicada, também hoje, no jornal Correio Braziliense, intitulada “Fritura na Receita” sobre a situação da secretária Lina Maria Vieira à frente da RFB (Receita Federal do Brasil), a Diretoria Executiva Nacional do Unafisco Sindical (Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil) esclarece que:

– Ao contrário do que tem sido sugerido pela imprensa, o Sindicato preza a isenção e a independência com relação à Administração da RFB;

- A Diretoria Executiva Nacional do Unafisco Sindical não indicou ou recomendou a nomeação de nenhum dos membros da atual Administração da RFB;

- Não pode ser debitada na conta da RFB ou dos Auditores-Fiscais a persistente queda da arrecadação. Além dos efeitos evidentes da crise econômica mundial, a política tributária anticíclica do Governo Federal, calcada nas desonerações de impostos e contribuições como forma de enfrentar a crise, tem como efeito colateral imediato uma queda do nível de arrecadação.