Dossiê: programa revela condições de trabalho em Assis Brasil

O Sindifisco Nacional apresenta o Dossiê Sindifisco, programa dedicado a reportagens mais extensas sobre temas específicos. A edição de estreia revela as condições de trabalho dos Auditores Fiscais lotados na Alfândega de Assis Brasil, no Acre, situada a 350 quilômetros da capital do estado, Rio Branco. A diretora-adjunta de Defesa profissional, Yone de Oliveira, acompanhou a reportagem.

O tema mostra com clareza as condições precárias a que estão submetidos os Auditores nas fronteiras do Brasil. A melhora da infraestrutura nas unidades da Receita Federal do Brasil é um dos pontos da Campanha Salarial da Classe e ressalta que a luta da categoria ultrapassa a busca por melhores vencimentos.  

O programa está dividido em três blocos. No primeiro, a reportagem mostra as condições da BR 317, que liga Rio Branco (AC) a Assis Brasil. O segundo bloco mostra o quão precária é a infraestrutura da unidade – rachaduras nas paredes, banheiros interditados, comunicação telefônica e internet ruins. Além disso, o clima de insegurança é um dos principais problemas, isso porque a alfândega é cercada por uma mata e a iluminação e fraca.

Quando há o trabalho durante a madrugada, os Auditores Fiscais trabalham sozinhos, não há o apoio de policial civil, militar ou federal e o vigia que trabalha no local não tem porte de arma e só trabalha até às 19h. Os Auditores Fiscais contam mesmo é com a sorte no desempenho das funções, como mostra a reportagem.

No terceiro e último bloco, a reportagem traz informações sobre o munícipio de Assis Brasil, situado em região de tríplice fronteira, entre o Brasil, Peru e Bolívia. A região em o 12º IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) entres os 22 municípios do Acre. A pobreza, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) atinge diretamente 48% da população.

 
Conteúdos Relacionados