Dia de luta: ato público pela recomposição do vencimento básico reúne servidores de diversas categorias

Auditores e Auditoras-Fiscais se uniram a servidores de diversas carreiras do Executivo no ato público convocado pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), nesta quarta-feira (3), em frente ao prédio do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI). A vice-presidente do Sindifisco Nacional, Auditora-Fiscal Natália Nobre, e o diretor de Assuntos de Aposentadoria e Pensões, Auditor-Fiscal Roberto Kasai, participaram da manifestação pelo reajuste do vencimento básico em 2024. 

Com faixas e cartazes, os servidores discursaram se dirigindo diretamente à ministra da Gestão e da Inovação, Esther Dweck, para cobrar a negociação efetiva na Mesa Nacional de Negociação Permanente (MNNP). Desde o ano passado, as entidades que compõem o Fonasefe vêm tentando garantir um percentual de reajuste ainda para 2024, a fim de garantir a correção gradativa das perdas inflacionárias acumuladas nos últimos anos. 

Os servidores apresentaram uma proposta com reajuste de 22,71% para aqueles que firmaram acordo por quatro anos (2016 e 2019), que é o caso dos Auditores-Fiscais.  O percentual seria dividido em três parcelas iguais de 7,06% em 2024, 2025 e 2026. No entanto, o governo tem insistido em não reajustar o vencimento básico em 2024. Os únicos ganhos deste ano seriam reajustes nos benefícios (saúde, alimentação e creche). Pela proposta apresentada pelo MGI, o vencimento básico só será reajustado em 2025 (4,5%) e 2026 (4,5%). 

“A proposta do governo é inadmissível. Os aposentados e pensionistas foram totalmente esquecidos, já que não são contemplados com o reajuste dos benefícios. Nós, Auditores-Fiscais, temos garantido o crescimento da arrecadação, que foi a condição apresentada pelo MGI para conceder reajuste este ano. Está na hora de o governo reconhecer a importância dos servidores e apresentar um percentual de reajuste para 2024. O reajuste do vencimento básico é fundamental e nossa gestão está empenhada nesse propósito desde o primeiro dia. O pleito foi aprovado em Assembleia Nacional dando mais força à reivindicação”, avaliou Roberto Kasai. 

“Com este ato público, queremos demonstrar para o governo a nossa insatisfação, especialmente quando consideramos a disparidade no tratamento dado aos servidores do Legislativo e do Judiciário. Historicamente, os servidores do Executivo têm os menores reajustes, e essa disparidade vem aumentando ano a ano. O governo precisa reconhecer o nosso valor e reverter esse quadro. Para isso, o reajuste do vencimento básico também este ano é fundamental”, afirmou Natália Nobre. 

A luta pelo reajuste do vencimento básico já tem mais três agendas propostas pelo Fonasefe. No dia 16 de abril, às 16h, o tema será debatido na audiência pública convocada pela deputada Sâmia Bonfim (PSOL-SP). No dia seguinte (17), haverá uma grande marcha em Brasília, reunindo servidores de todas as partes do Brasil. Por fim, no dia 18, cada categoria realizará atividades específicas de mobilização. 

Conteúdos Relacionados