DEN encaminhará pela rejeição da proposta de 15% apresentada pelo Governo

A DEN (Diretoria Executiva Nacional) encaminhará à Assembleia Nacional de quarta-feira (22/8) pela rejeição da proposta apresentada pelo Governo Federal, na sexta-feira (17/8), de conceder reajuste salarial de 15,8% parcelados em três vezes até 2015 aos Auditores-Fiscais da RFB (Receita Federal do Brasil). A proposta sequer contempla a atualização monetária dos salários nos últimos três anos, que reduziu, sobremaneira, o poder de compra do Auditor-Fiscal. Uma ação que desrespeita a Constituição Brasileira, que estabelece reajuste anual para os servidores. 

“Está abaixo do que entendemos como justo. Vamos encaminhar contra na Assembleia, posição que só mudará se o Governo apresentar algo mais palatável”, disse o presidente do Sindifisco Nacional, Pedro Delarue, se referindo à Assembleia da próxima quarta-feira (22/8) para deliberar sobre o reajuste apresentado, no dia 17, pelo secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça.

Além de apresentar uma proposta com valor insuficiente, o Governo sequer sinalizou para o atendimento de outras reivindicações dos Auditores, como a diminuição de padrões para a progressão na carreira. O tema é importante para o Sindifisco, que junto com os Auditores dos últimos concursos, busca a redução da progressão de treze para seis padrões.

O secretário Sérgio Mendonça afirmou que o Executivo teme que o alcance rápido ao topo gere desmotivação e esvazie o serviço público. A DEN entende que a desmotivação do serviço público, pelo menos no caso dos Auditores, já vem sendo gerada com atitudes do Governo, como: aprovação da Funpresp (Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal); decretos antigreve, como o 7.777/12; falta de investimento na Aduana; falta de aprovação da LOF (Lei Orgânica do Fisco); falta de concessão do porte de arma irrestrito aos Auditores.

Essas e tantas outras questões são da maior importância para os integrantes da carreira que bate sucessivos recordes de arrecadação, proporcionando ao Governo condições de investimento em seu programa de aceleração do crescimento do país.

A DEN reitera aos Auditores que continuem a desenvolver a operação-padrão, na zona primária, e crédito zero, na zona secundária, até que o Governo apresente uma proposta satisfatória às reivindicações da Classe.  

Conteúdos Relacionados