Boletim do Comando Nacional de Mobilização – N°40

A Assembleia Nacional de 19 e 20 de setembro deliberou que todos os Auditores-Fiscais entrariam em greve a partir de 20 de novembro, respeitando o contingente legal de 30% por unidade.

Esse Comando de Mobilização orientou que, em substituição à greve, as aduanas deveriam fazer operação-padrão, por ser essa a medida tradicionalmente adotada pela categoria e por ter grande efetividade, particularmente nas equipes de desembaraço e monitoramento de riscos.

Diversas unidades aduaneiras (Aeroporto de Guarulhos, Aeroporto de Viracopos, Aeroporto do Galeão, Porto do Rio de Janeiro, etc) manifestaram que irão aderir à greve tradicional a partir do dia 08/01/2024.

Diante desse cenário, o CNM orienta:

• TODOS os Auditores-Fiscais estão legalmente respaldados por decisão de assembleia e podem aderir à greve;
• É necessário manter o quantitativo mínimo de 30% de postos de trabalho em cada unidade;
• Será também necessário manter equipe para análise e desembaraço das cargas prioritárias, definidas em lei (cargas vivas, perigosas, perecíveis, medicamentos, etc).

O CNM saúda a atitude firme e corajosa dos colegas aduaneiros que decidiram aderir à greve e colaborar ainda mais com a mobilização dos Auditores-Fiscais, bem como as unidades que permanecem na operação-padrão.

Conteúdos Relacionados