Auditores não se curvam diante de ameaças e entregam cargos

A resposta dos Auditores-Fiscais ao Decreto 7.777/12 e à Portaria MF (Ministério da Fazenda) nº 260 tem sido tão rápida quanto a edição das normas antidemocráticas e ilegais. Em repúdio às ameaças do Executivo, Auditores ocupantes de chefias estão entregando os cargos, como forma de demonstrar ao Governo que não vão compactuar com os atos irresponsáveis estabelecidos nas normas e muito menos se sentirem intimidados. 

Na quarta-feira (1º/8), o diretor de Relações Intersindicais do Sindifisco Nacional, Rafael Pillar, acompanhou o ato formal de entrega dos cargos em Uruguaiana (RS), onde onze – praticamente todos – os administradores aderiram ao movimento. “A edição do Decreto e da Portaria serviu para intensificar a indignação entre os colegas. Em vez de se sentir acuada, a Classe se sentiu desafiada e decidiu dar uma resposta”, avaliou Pillar.

O mesmo também aconteceu em São Borja (RS), Manaus (AM), Maceió (AL), Varginha (MG) e Ribeirão Preto (SP). A tendência é que  dia após dia, mais e mais chefes demonstrem indignação com o tratamento recebido do Governo, entregando os cargos e se eximindo da responsabilidade pelos problemas que o Decreto e a Portaria poderão trazer para a RFB (Receita Federal do Brasil) e, consequentemente, para o país.

A DEN (Diretoria Executiva Nacional) parabeniza os Auditores pela coragem e pela disposição de luta. Para a Diretoria é fundamental que todos se espelhem na coragem e digam “basta de desmandos”. Para facilitar a formalização da entrega, os advogados do Sindifisco Nacional prepararam modelos de documentos relativos à zona primária e à zona secundária.

Completando a união da Classe, os demais Auditores devem assinar o abaixo-assinado se comprometendo a não assumir os cargos vagos.

Conteúdos Relacionados