Assembleia Nacional: categoria rejeita propostas do governo para bônus e vencimento básico

Na maior Assembleia Nacional realizada desde o início da atual gestão do Sindifisco Nacional, reunindo um total de 5.541 Auditoras e Auditores-Fiscais, foram rejeitadas as duas propostas do governo sobre as pautas remuneratórias da categoria. A continuidade da greve foi aprovada por 69,13% dos participantes, em uma mensagem clara ao governo sobre a reivindicação do cumprimento da Lei 13.464/17. E 93,56% rejeitaram, agora formalmente, a proposta apresentada pela Secretaria de Relações de Trabalho (MGI) na Mesa Nacional de Negociação Permanente em relação ao vencimento básico.

A categoria foi chamada à Assembleia Nacional para deliberar sobre o resultado de reunião realizada no dia 27 de dezembro, convocada pelo Ministério da Fazenda, e que teve participação do ministro Fernando Haddad, do secretário-especial da Receita Federal do Brasil, Robinson Barreirinhas, representantes da Direção Nacional, do Comando Nacional de Mobilização (CNM) e da Mesa Diretora do Conselho de Delegados Sindicais (CDS).

Nesta reunião, o governo manteve a proposta de pagamento de bônus para 2024, apresentada pela Secretaria da Receita Federal em 30 de novembro e rejeitada por 95% da categoria em assembleia realizada em dezembro, com participação recorde de mais de 5,4 mil Auditores-Fiscais. Além de ter mantido a proposta de teto de R$ 4,5 mil para o primeiro semestre de 2024 e de R$ 5 mil para o segundo semestre, o ministro firmou o compromisso de, até a metade do ano de 2024, realizar as mudanças necessárias na redação do decreto, para adequá-la aos termos do acordo de 2016 e da Lei 13.464, de 2017.

O ministro Haddad condicionou a proposta e a continuidade das negociações à suspensão da greve, o que foi rejeitado fortemente pela categoria na Assembleia realizada nesta quinta. A opção pela rejeição foi encaminhada pela Direção Nacional, CNM e Mesa Diretora do CDS. Como resposta ao governo, além da manutenção da greve, as Auditoras e Auditores-Fiscais reafirmaram, ao aprovar o Indicativo 2, a concretização das mudanças no texto do Decreto 11.545/23 como condição para avanço das negociações por parte da categoria, inclusive no que se refere à suspensão da greve.

Vencimento básico

O reajuste do vencimento básico também é uma importante reivindicação aprovada pelos Auditores-Fiscais e parte da pauta de luta. A categoria demanda do governo a recomposição inflacionária do vencimento básico pelo INPC acumulado desde janeiro de 2016: descontados os 9% recebidos em 2023, os cálculos indicam uma perda inflacionária em torno de 37% até novembro de 2023.

A proposta do governo, via MGI, ignora a perda inflacionária e, sobretudo, penaliza ainda mais aposentados e pensionistas: reajuste zero no vencimento básico em 2024 e de 9% escalonado em 2025 e 2026. O governo propôs reajustes dos benefícios, a partir de maio de 2024: 51% para o auxílio saúde, 51% para o auxílio-creche e 52% para o vale-alimentação. As Auditoras e Auditores-Fiscais, por 93,56% de votos, rejeitaram essa proposta que, apesar da pressão inflacionária e de praticamente sete anos sem reajuste – excetuando-se os 9% de 2023 – coloca os aposentados e pensionistas que não têm direito aos auxílios, mais uma vez, como o grupo mais prejudicado pela ausência de uma política remuneratória correta.

Outros quatro indicativos relacionados ao uso do Fundo de Mobilização, entrega de cargos e Fundo de Corte de Ponto também foram aprovados nesta assembleia. Confira o resultado aqui.

Conteúdos Relacionados